in ,

No WEC em 2024, Mick Schumacher afirma que Fórmula 1 “sempre será um sonho”

Filho do heptacampeão mundial “não vingou” na categoria, mas almeja redenção

Mick Schumacher
Reprodução/X MercedesAMGF1

Mick Schumacher não protagonizou a trajetória ideal na Fórmula 1 antes de chegar à Mercedes. Atualmente atuando como piloto de testes na equipe britânica, o alemão encerrou sua participação no grid principal em 2022, após uma temporada que ficou aquém das expectativas pela Haas.

Enquanto adquire experiência junto a Lewis Hamilton e George Russell, o filho de Michael Schumacher segue, em paralelo, se aventurando em outras categorias. Em 2024, Mick correrá integralmente pela Alpine na classe Hypercar do WEC. No entanto, o jovem de 24 anos ainda não desistiu de retornar em breve ao grid da F1.

A Fórmula 1 sempre foi e sempre será um sonho“; garantiu Schumacher, segundo matéria do portal CRASH. “Mas não há razão para ficar aqui (na F1) e não correr, ficar atrás de todos. Prefiro ir lá (no WEC), correr e desenvolver as minhas habilidades. No final, se isso não me levar a um retorno à Fórmula 1, levará a outra carreira, então estou feliz em fazer isso“; explicou o alemão.

Michael “adoraria ajudar” na carreira de Mick Schumacher

No fim do último ano, mais especificamente no dia 29 de dezembro,  completou-se dez anos desde o impactante acidente de esqui envolvendo Michael Schumacher, pai de Mick.

Em uma entrevista concedida ao Grosvenor SportJohnny Herbert, ex-piloto de Fórmula 1, expressou então sua compaixão pelo filho do heptacampeão mundial. Ele acredita que a pressão se tornou ainda maior para que Mick evoluísse no automobilismo após o acidente de seu pai, como uma espécie de “legado”.

Todas as pressões recaíram sobre seus ombros apenas por conta de seu sobrenome“; opinou Herbert.

Mick estava com seu pai no momento do acidente, quando ainda era um adolescente. Johnny afirma que a lenda do automobilismo teria então adorado passar seus ensinamentos ao seu filho, principalmente em seu período no grid da F1. Herbert, inclusive, acredita que a influência de Michael teria levado a carreira de Mick na categoria a outro nível.

Michael teria adorado a oportunidade de trabalhar com seu filho e tentar colocar todas as suas experiências em prática, permitindo que Mick fosse um piloto muito diferente do que vimos [..] teria sido uma experiência maravilhosa para ele ter esse relacionamento profundo com seu filho. Infelizmente, não podemos ver isso“; encerrou o britânico de 59 anos.

Avatar

Escrito por Mateus Pereira

Colaborador do Naspistas desde 2023, nasci no estado do Rio de Janeiro e alinho minha maior paixão à minha vocação através da produção de conteúdo sobre esportes. Entre as minhas áreas de maior domínio e experiência profissional estão o automobilismo, o futebol e o universo geek.
Certificado como Jornalista Digital e Social Media pela Academia do Jornalista, contribui no passado como Colunista, Editor-chefe e Líder da editoria de Esportes nos portais R7 Lorena e iG In Magazine.

Comentários

Loading…

Alvaro Bautista, bicampeão da Superbike

Álvaro Bautista lamenta nova regra do peso na WorldSBK: “Não vou chorar”

Corrida de Fórmula 1

Fórmula 1 se incomoda com nome de duas equipes para a temporada